24 de June de 2019

A difícil missão de conciliar a carreira profissional e os filhos

Que a mulher está participando cada vez mais do mercado de trabalho, não é novidade pra ninguém.

Vemos as mulheres ocupando desde cargos mais baixos dentro das empresas, até os mais altos níveis hierárquicos. Com certeza a tendência é que esse reconhecimento se torne ainda mais comum, afinal, a mulher conquistou seu espaço no mercado de trabalho e continua lutando por melhorias neste campo.

Mas com toda essa conquista, veio a sobrecarga. As mulheres ficaram com uma rotina lotada de obrigações. Em outras épocas, a responsabilidade da mulher era ser dona de casa, esposa e mãe.

Agora, não tão recente, ela conquistou o direito de trabalhar também fora de casa. Assim, além de ter uma profissão, tendo que cuidar da casa, dos filhos e do marido, ela tem outra “obrigação”, que ocupa, e muito, o seu dia. É aí que muitas mulheres, ou a maioria delas, entra em conflito consigo mesma quando decide ter filhos.

Pensando em ter mais tempo para o filho de 1 ano e 9 meses, mas continuar trabalhando, Celina Kalinovski optou por se tornar uma profissional freelancer. “A empresa em que eu trabalhava exigia muito do meu tempo. Sempre gostei de trabalhar na minha área e nunca liguei de ficar até mais tarde no trabalho ou passar dias viajando em reuniões com clientes. Quando engravidei comecei a pensar que não fazia sentido ter um filho e continuar nessa vida cheia de compromissos e horários malucos. Então quando meu pequeno nasceu decidi não trabalhar mais. Dediquei-me a ele e tudo que ele precisava desde que nasceu. Mas, ao mesmo tempo, comecei a sentir falta do meu trabalho e foi ai que comecei a fazer freelas. Assim, consegui conciliar a maternidade e o trabalho”, comenta a publicitária de 31 anos.

Entre na conversa...