15 de November de 2018

Polícia Civil busca informações sobre Conselho da Mulher de Marília

POLÊMICA

Luciana Santos (dir), ex-presidente do Conselho Municipal dos Direitos da Mulher de Marília.

Reportagem publicada hoje no jornal O DIA de Marília, na página 3, aponta que a Polícia Civil de Marília está em busca de informações sobre o que está acontecendo com o Conselho Municipal dos Direitos da Mulher de Marília. Segundo a matéria, a Delegacia Seccional de Polícia Civil de Marília solicitou uma cópia do jornal O DIA, edição de 25/10 (último domingo), página 4, para ‘consulta’ sobre o que foi publicado a respeito das mudanças no Conselho Municipal dos Direitos da Mulher de Marília. A reportagem tentou contato com o delegado, mas ele estava ausente e não retornou às ligações. Por outro lado, um grupo de conselheiras que estariam apoiando a ex-presidente Luciana Santos, está convocando uma manifestação na Sessão Ordinária da Câmara Municipal, na próxima terça-feira.

A convocação está sendo feita por meio de um texto distribuído pelas redes sociais, na Internet, e pelo aplicativo de telefone WhatsApp. O autor (ou autores) apontam que “um grupo minoritário de mulheres do Conselho Municipal dos Direitos da Mulher está agindo de forma ilegal. Trata- se de um grupo pequeno e não representativo, que está desesperadamente tentando manipular entidades com a finalidade de tentar dar um golpe em um Conselho legítimo e representativo das mulheres de Marilia”.

Em outro trecho, o texto aponta que se trata de “um grupo de irresponsáveis, que, agindo de forma antiética e ilegal  para tirar a presidenta Luciana Santos (integrante da União Brasileira de Mulheres) do Conselho dos Direitos da Mulher se dirigiu à mídia tentando subverter a democracia e a legalidade através de notícias falsas”. A convocação prossegue apontando que “procedem assim de maneira irregular, nâo regimental, sem transparência, sem representatividade e com evidencias de objetivos espúrios, além de agir de forma discriminatória, preconceituosa e racista”.

A “nota” tece ainda elogios à ex-presidente. “Esta jovem militante, feminista, que sempre defendeu os direitos da juventude, das mulheres e dos negros de periferia, é também uma  figura respeitada no movimento social de Marília e é reconhecidamente a principal líder feminista do movimento de mulheres do município”.

Ao final, o texto aponta que “a Democracia deve ser respeitada. A atual presidente foi eleita legitimamente.  Assim, convocamos as lideranças dos movimentos sociais em defesa da democracia e não ao golpe! Estaremos com ato na Câmara Municipal de Marília dia 03 (terça) de novembro as 18h30”.

A reportagem do O DIA procurou por Luciana Santos, por meio de mensagem na rede social Facebook, às 15h14 de ontem. Foi passada a seguinte mensagem: “Olá, boa tarde.. Preciso falar contigo, sobre desdobramentos do caso do Conselho da Mulher… Pode falar comigo?”. Consta que a mensagem foi “visualizada”, mas Lu Santos, como aparece na rede social, não deu qualquer resposta.

Entre na conversa...