Diário é proibido de mentir contra advogado

Advogado Alysson Alex Souza e Silva. Foto: TV Sol.
Advogado Alysson Alex Souza e Silva. Foto: TV Sol.

A juíza da 1ª Vara Cível Paula Jacqueline Bredariol de Oliveira deferiu o pedido do advogado, e futuro Procurador Jurídico da prefeitura Municipal de Marilia, Alysson Souza e Silva. Ele entrou com pedido de indenização e tutela de urgência para que o Jornal Diário de Marilia, publicado pela CMN, ou qualquer outro veículo do grupo, deixe de publicar informações inverídicas sobre o advogado.

A ação movida por Alysson Silva contra a CMN foi motivada por publicações em que o jornal informa que ele foi condenado por falsificação de documento público e fraude em concurso público, informação inverídica, como afirma a própria Juíza em seu despacho que defere o pedido do advogado

“…  Teve (o autor) posteriormente extinta sua punibilidade com relação à pretensão punitiva estatal o que significa afirmar que ele não foi condenado pelo que se lhe imputa”, escreveu a magistrada.

A juíza Paula Jacqueline Bredariol de Oliveira escreveu ainda

“Nessa tessitura, presente o imediato receio de dano irreparável e de perigo de ineficácia do provimento final, caracterizado pela mera indenização patrimonial, DEFIRO o pedido de tutela de urgência, para determinar às rés que se abstenham de publicar em seus canais de comunicação a afirmação de que o autor foi condenado por falsificação e fraude ou outros termos que a isso induza concluir, sob pena de multa de R$ 1.000,00 por publicação.”

Ouvido pelo Marília Global, o advogado Alysson Souza e Silva disse que vem sofrendo perseguição sistemática com a publicação de matérias que não condizem com a verdade desde que passou a advogar  contra os interesses  do grupo liderado pelo Deputado Estadual José Abelardo Camarinha, cuja ligação com o complexo de comunicação CMN (Radio Diário FM, Dirceu AM e Jornal Diário) está sendo investigado pela polícia federal na Operação denominada  Miragem.

“Vivem publicando matérias contra minha pessoa, são matérias requentadas que surgem a cada ação  que eu consigo lograr êxito contra o grupo ou àquele complexo,” explicou Alysson.

Ameaças

O Futuro Procurador Jurídico da prefeitura de Marília disse ainda que além dos ataques na mídia vem sofrendo ameaças contra sua integridade física.

“Sofro ameaças por telefone, em fila de banco ou supermercado ou ainda através de advogados no balcão de cartórios. Diante disto resolvi acionar a Comissão de Prerrogativa da OAB para ter protegido o meu direito de exercer minha profissão livremente.”

Uma ação para cada calúnia

Allysson Souza e Silva explicou ainda que seguirá firme e combativo contra as calúnias e informações inverídicas divulgadas como matéria jornalística por aquele jornal e ou divulgadas por políticos que segundo a Policia Federal podem ter ligação com a CMN, ou ainda por seus prepostos.

“A cada fato inverídico publicado por aquele periódico, ou quem quer que seja, sobre minha pessoa entrarei com um pedido de reparação moral e financeira contra o jornal e, identificado o autor da matéria, contra este também”.

Entre na conversa...