Pacientes com queimaduras ficam, em média, 40 dias internados

Enfermeira May Lanza Chaves (centro) e grupo que discutiu a prevenção, para formar multiplicadores. Foto: Divulgação.
Enfermeira May Lanza Chaves (centro) e grupo que discutiu a prevenção, para formar multiplicadores. Foto: Divulgação.

A longa permanência hospitalar é a principal característica dos pacientes internados com queimaduras. Na Unidade de Terapia de Queimados (UTQ) da Santa Casa de Marília o tempo médio de internação é de 40 dias. Nas demais alas da instituição, por exemplo, esse número varia entre quatro e cinco dias. Para chamar a atenção para o perigo, no mês de Luta e Prevenção às Queimaduras os profissionais do setor promovem uma série de atividades.

Sob orientação da enfermeira Mey Lanza Chaves, pacientes, ex-pacientes e familiares participaram de uma confraternização e receberam o carinho das equipes que os acolheram no hospital. Durante o encontro, eles receberam orientações e tornaram-se multiplicadores de informação pela prevenção.

Também foram abordados pacientes e acompanhantes em outras áreas da Santa Casa, com a distribuição dos gibis edição especial da Turma da Mônica, que aborda os riscos das queimaduras. Os direitos autorais foram cedidos pelo desenhista Maurício de Souza à Sociedade Brasileira de Queimaduras (SBQ), que organiza e apoia ações e em todo o país.

A supervisora de enfermagem da Santa Casa de Marília, Tatiana Garbelini Ferreira, explica que tempo médio de internação é alto em função das inúmeras complicações que podem ocorrer após um episódio de queimadura grave. “Temos que lembrar que nossa pele é um órgão. A agressão é sentida por todo o corpo. Os riscos variam de acordo com a extensão da lesão. Em alguns casos, são necessárias cirurgias para enxerto de tecidos. Há sempre, nas grandes queimaduras, risco de infecções”, explica

De janeiro de 2015 a maio deste ano, 64 pessoas foram internadas na UTQ da Santa Casa. A equipe também assistiu pacientes com queimaduras graves nas UTIs (casos que necessitam de todos os recursos de unidade intensiva). A coordenação médica da unidade é do cirurgião plástico especializado João Evatisto Puzzi Bono.

Estrutura

Atualmente, o hospital oferece oito leitos adultos e pediátricos. O serviço é credenciado pelo Sistema Único de Saúde (SUS) e referenciado pela Central de Regulação de Oferta de Serviços de Saúde (Cross) para todo o Estado de São Paulo. Devido a alta especialização recebe também, pela rede pública, pacientes de outros estados do país.

O atendimento conta com atuação da equipe multidisciplinar, integrado por profissionais de psicologia, nutrição, fonoaudiologia, fisioterapia, terapia ocupacional, pedagogia, entre outros.

Entre na conversa...