Beto Cavallari é convidado para falar sobre democracia e educação em evento na USP

Nos dias 18 e 19 de abril, foi celebrado na USP (Universidade de São Paulo) o centenário da publicação do livro “Democracia e Educação”, do filósofo e educador americano John Dewey, publicado em 1916. A Conferência contou com a presença de professores e estudantes do Brasil e dos EUA. O professor universitário mariliense Beto Cavallari, editor do Marília Global, foi um dos convidados para palestrar no evento. Ele é atualmente uma referência nos estudos da Filosofia Americana no país e o atual tradutor do livro para o Brasil.

“A maioria dos professores marilienses da rede pública e das escolas particulares conhecem o livro e sabem sobre a educação democrática de Dewey”, afirma o Prof. Beto Cavallari, que terminou em 2015 seu doutorado na Columbia University em Nova York, EUA, a mesma universidade onde Dewey lecionou por 25 anos.

Beto Cavallari destaca que a ampla divulgação dos princípios filosóficos e pedagógicos de Dewey na educação brasileira começou na década de 1920. Nessa época, o jovem Anísio Teixeira foi fazer mestrado em Educação na Columbia University e teve contato com as ideias filosóficas e pedagógicas de Dewey. Ao retornar, Teixeira se tornou um dos mais importantes educadores brasileiros ao influenciar a modernização do sistema educacional do país. Teixeira publicou vários livros e ocupou importantes cargos administrativos na área educacional.

Entre seus feitos estão a publicação do livro “Educação progressiva” e os trabalhos à frente da Instrução Pública do Distrito Federal e da Secretaria da Educação e Saúda da Bahia. Ele também fundou a Universidade de Brasília. Já no início da década de 1950, Teixeira assumiu o comando da CAPES (Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior) e o INEP (Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais).

Beto Cavallari ressalta que “a principal contribuição de Teixeira ao país foi a interpretação dos princípios filosóficos e pedagógicos de Dewey para a realidade da sociedade brasileira, diferente da americana na primeira metade do século XX. Ele foi um ativista social e a sua bandeira foi a da educação para a construção de uma sociedade brasileira mais democrática”. O professor mariliense também lembrou que, apesar das diferenças entre eles, “tanto Dewey quanto Teixeira perceberam que democracia e educação são indissociáveis, não se tem uma sem a outra”. “Diante do atual cenário político e educativo, esse livro é atualíssimo e é nossa função continuar a construir pontes entre democracia e educação”, conclui Beto Cavallari.

Entre na conversa...