Exportar pode ser boa oportunidade para as micro e pequenas empresas, por Bruno Caetano

Bruno Caetano é diretor superintendente do Sebrae-SP
Bruno Caetano é diretor superintendente do Sebrae-SP

“Enquanto uns choram outros vendem lenços”. Quem nunca ouviu esta máxima? Nestes tempos de crise econômica, inflação em alta, perda do poder de compra, aumento dos impostos e baixa no consumo, os proprietários das micro e pequenas empresas (MPEs) cada vez mais dependem da própria criatividade para reagir e sobreviver.

Mas em meio a isso, o mercado de exportação abre possibilidades. A alta do dólar torna os produtos brasileiros mais competitivos e tem sido uma das apostas da indústria para aumentar suas exportações. E isso pode ser estendido também aos pequenos negócios.

O último relatório do Sebrae e da Fundação Centro de Estudos do Comércio Exterior (Funcex), revela que há no país 10.931 MPEs exportadoras, de um total 18.414 negócios de diferentes portes envolvidos nessa atividade.

Apenas no Estado de São Paulo são 5.442 MPEs exportando, ou 60% das empresas constituídas no país, na comparação com o número total de 9.035 negócios formais. Mas o volume de negócios corresponde a pouco mais de 1%, muito pequeno perto das grandes companhias.

Apesar da baixa procura pelo comércio exterior – em parte pelas dificuldades de competitividade e entraves logísticos, a superação se dá por estratégias bem definidas. O Sebrae-SP pode ajudar com diversas ações e eventos relativos ao tema.

Inicialmente, deve-se fazer um autodiagnóstico para saber se a empresa tem capacidade para exportar. Isso pode ser feito pelo próprio empreendedor no site www.internacionalizacao.sebrae.com.br.

Defina ainda a estratégia de entrada no mercado externo. Exportação indireta é realizada por intermédio de empresas aqui estabelecidas, que adquirem bens para exportá-los e é feita por trading companies, negócios exclusivamente exportadores ou operadoras no mercado interno e externo.

Na direta, o item é faturado pelo próprio produtor ao importador mas exige conhecimento do processo em toda a sua extensão e checagem no Registro e Rastreamento da Atuação dos Intervenientes Aduaneiros (Radar), da Receita Federal.

Há também o Exporta Fácil, dos Correios. Não exige cadastro no Radar e limita operações a R$ 50 mil.

Ainda neste ano, realizaremos uma série de eventos para MPES interessadas em ampliar seus mercados. Contem conosco para promover a competitividade da sua empresa.

Sobre Adriana Forcato 197 Artigos

Ela atua pela Imprensa Assessoria em Comunicação e pelo Grupo Máquina PR.

Entre na conversa...