Novo diretor do DAEM quer recuperar autarquia

Tanques de tratamento de água do Daem. Foto: Divulgação.
Tanques de tratamento de água do Daem. Foto: Divulgação.

Anunciado pelo prefeito eleito Daniel Alonso (PSDB) como o Diretor Presidente do DAEM (Departamento de Água e Esgoto de Marília), José Carlos de Souza Bastos (Beca), disse com exclusividade ao Marília Global que sabe o tamanho do desafio que estará assumindo a partir do dia 01 de janeiro de 2017.

Diante disso, ele buscará fazer uma gestão eficiente para que consiga pagar as dívidas existentes hoje na autarquia e ainda assim investir em obras para aumentar a oferta de água para a cidade além da valorização dos servidores da autarquia.

Confira os principais pontos dessa conversa abaixo.

Tratamento de esgoto

Beca lembrou que toda a verba que veio para as obras de afastamento e tratamento de esgoto foi administrada pela Prefeitura e não pelo DAEM e por isso acredita que o término das obras ficará á cargo da Prefeitura para só depois de ser concluída passar à administração daquela autarquia

Ele lembrou que o atual governo do prefeito Vinicius Camarinha (PSB) assumiu a prefeitura com a rede de coleta e afastamento do esgoto concluída e com o início das obras de duas estações de tratamento, a do Barbosa e do Pombo , segundo ele 80% dos projetos das duas bacias estão concluídos.

Economia

Beca afirmou ainda que a conclusão das obras das duas bacias de tratamento do esgoto resultará em economia para o DAEM, já que parte do esgoto é despejado in natura onde é feita a captação da água. Esse fato aumenta os custos para tratamento da água, como afirma o novo diretor.

“Com as duas bacias concluídas este custo cairá, o que resultará em uma grande economia para investimento em outras áreas como a troca e manutenção da rede de distribuição, evitando o desperdício da água com os vazamentos pela cidade”

Sem concessão e sem aumento na tarifa de água

Falando sobre o polêmico episódio da tentativa de concessão do DAEM, o novo presidente afirmou que nenhuma empresa iria se interessar em uma concessão de algo que desse prejuízo.

“O Daem é viável, ele precisa de uma administração segura, que cause eficiência, que acabe com o desperdício, com a corrupção, que elimine esta perda de água que existe hoje na cidade, que valorize seus funcionários e, conseguindo isso, também evitamos o aumento na tarifa da água,” afirmou Beca.

Entre na conversa...