21 de August de 2018

Agronegócio: Governo de SP investe R$ 7,7 mi em 15 obras para modernizar fazenda de pesquisas do IAC

Investimento totaliza R$ 7,7 milhões - Foto: Divulgação Apta

O Governo do Estado de São Paulo investirá até 2017 R$ 7,7 milhões em melhorias na Fazenda Santa Elisa do Instituto Agronômico (IAC), da Agência Paulista de Tecnologia dos Agronegócios (Apta) da Secretaria de Agricultura e Abastecimento do Estado de São Paulo, em Campinas. As obras incluem reformas de prédios, ampliação de laboratórios e melhorias nas redes de energia elétrica e internet. Ao todo, sete obras estão em execução e devem ser finalizadas ainda neste ano na fazenda, onde ficam sete dos 12 centros de pesquisa do IAC. Outras oito obras estão previstas para serem executadas em 2017. O investimento total nas melhorias é de R$ 7,7 milhões. O Instituto também modernizou sua frota, com a compra de 15 veículos.

Com as obras, o objetivo é modernizar a infraestrutura da Fazenda Santa Elisa, criando ambiente que viabilize o aumento da competitividade das pesquisas desenvolvidas pelo Instituto Agronômico e incentive a inovação tecnológica. “As instituições de ciência, tecnologia e inovação precisam sempre se modernizar para realizarem pesquisas competitivas e essenciais. A ampliação e a modernização dos laboratórios serão fundamentais para as pesquisas do IAC na área de pós-colheita, horticultura, genética e pragas quarentenárias”, afirma o diretor-geral do IAC, Sérgio Augusto Morais Carbonell. Os investimentos em 2016 somam R$ 3,4 milhões, aproximadamente, e R$ 4,3 milhões, em 2017.

O secretário de Agricultura e Abastecimento do Estado de São Paulo, Arnaldo Jardim, acompanhou as obras em uma visita à Fazenda Santa Elisa, em 6 de outubro de 2016. Para ele, esses investimentos reforçam o compromisso da Secretaria com a pesquisa. “Estamos criando melhores condições para que os institutos realizem pesquisas inovadoras. A criação dos Núcleos de Inovação Tecnológica (NITs) fortalece essas ações”, afirma. Arnaldo Jardim ressalta que São Paulo se destaca na geração de conhecimento, com os investimentos do Governo do Estado e da Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo (Fapesp).

Segundo coordenador da Apta, Orlando Melo de Castro, os investimentos em infraestrutura e maquinário permitiram que os institutos de pesquisa da Agência ficassem mais produtivos a cada ano. “Entre 1986 e 1990, o IAC lançou, em média, 13 cultivares por ano, enquanto que, de 2011 a 2015, esse número foi de 20 cultivares, em média, por ano. A média anual de realização de análises laboratoriais também subiu de 13.466 para 14.289, mesmo com a abertura de novos laboratórios pela iniciativa privada e universidades. A produção de sementes do IAC também aumentou de 265.901 quilos, em média, por ano, para 311.956 quilos anuais, em média”, afirma Castro.

A média de artigos escritos por pesquisadores também subiu no IAC de 0,7, por ano, entre 1996 e 1990, para 1,2, por ano, de 2011 a 2015.  “Esses números mostram que o IAC e os outros institutos da Apta estão cada vez mais eficientes e produtivos, pois apesar da redução de servidores, que em algumas áreas é significativa, a modernização de máquinas e da infraestrutura tem permitido ampliar a capacidade operacional das unidades, fazendo mais com muito menos. A modernização das unidades de pesquisa permitiu aumento na produção e na prestação de serviço para o setor produtivo”, explica o coordenador da Agência.

Entre na conversa...