18 de September de 2018

AgroNotícias por Mauricio Picazo Galhardo

OVOS. No encerramento daquela que deveria ter sido a melhor semana do mês para a comercialização de ovos, o mercado caminhou dentro da normalidade e os preços praticados sem alterações: a caixa de ovos brancos na faixa de R$61,00 a R$63,00 e os ovos vermelhos de R$61,00 a R$66,00. Segundo a Jox Assessoria Agropecuária o desempenho no varejo seguiu em ritmo normal, sem a expressividade que se esperava, diante das particularidades da semana. Por conta disso, os estoques não tiveram a esperada regularização.
TRIGO ARGENTINO. A T&F Consultoria Agroeconômica aponta que o trigo argentino poderá ter uma produtividade maior que a do ano passado: “Com a redução na produção dos trigos semiduros do norte do PR, SP e MG, o trigo argentino se torna cada vez mais importante para a produção de farinhas especiais no Brasil. Por isso, o acompanhamento do seu mercado também continua a ser uma necessidade”.
PROPOSTA. O Conselho do Agro, que representa os produtores rurais de diversas cadeias produtivas e segmentos da agropecuária se reuniu dia (7), para finalizar documento com propostas para o setor a ser entregue aos presidenciáveis. De acordo com o presidente da CNA, João Martins, o documento entregue espelha realmente o que pensam todos os segmentos da agropecuária.
HIDRATADO. O volume de etanol total comercializado pelas unidades produtoras do Centro-Sul atingiu 1,50 bilhão de litros na segunda quinzena de julho, quase 35% superior ao resultado observado no mesmo período de 2017. Esse significativo crescimento decorre do volume recorde de etanol hidratado comercializado ao mercado interno na segunda metade de julho: 930,40 milhões de litros. Esse aumento expressivo nas vendas de hidratado remete à competitividade do produto frente à gasolina na maior parte do mercado brasileiro.
CONSERVAÇÃO DO SOLO. De grande relevância para o setor sucroenergético, a conservação do solo foi debatida por especialistas do Instituto Agronômico de Campinas (IAC), da Escola Superior Luiz de Queiroz, da Universidade de São Paulo (Esalq/USP) e da Agência Paulista de Tecnologia dos Agronegócios (APTA). O evento, foi realizado no dia (09/08) em São José do Rio Preto (SP) pela COFCO, multinacional associada à União da Indústria de Cana-de-Açúcar (UNICA), teve a presença de aproximadamente 100 pessoas.
SELEÇÃO EMBRAPA. Processo de seleção para presidente da Embrapa foi publicado no Diário Oficial da União (DOU) do dia (8). O período de inscrição é de 20 dias a partir da publicação. Profissionais, incluindo aqueles do quadro da Embrapa, que atendam aos critérios estabelecidos no artigo 54 do Decreto 8.945/2016, podem se inscrever. A escolha será feita com base na análise do currículo do candidato, que deve demonstrar compatibilidade na formação acadêmica e experiência profissional com o perfil necessário para o cargo.
SUSTENTABILIDADE. A líder de Sustentabilidade e Responsabilidade Social da Monsanto para a América do Sul, Danielly Crocco, afirmou que o agronegócio contribui diretamente para a garantia da sustentabilidade do nosso planeta. Segundo ela, não se pode associar a sustentabilidade apenas com o meio ambiente, é preciso compreender o tema por completo.
EXPOINTER 2018. O Sindicato dos Médicos Veterinários no Estado do Rio Grande do Sul (Simvet/RS) organizará durante a Expointer neste ano um simpósio de dois dias abordando temas importantes para a categoria. Nos dias 29 e 30 de agosto, na Casa do Veterinário do Parque de Exposições Assis Brasil, em Esteio (RS), temas como inspeção de produtos de origem animal, combate ao carrapato e bem estar animal de equinos estarão em pauta.
PESTICIDAS. O advogado e engenheiro agrônomo, do escritório “Amaral e Carvalho – Advogados e Consultores de Brasília”, Dr. Paulo Cesar Campos Amaral, afirmou que o projeto, que trata do tema de registro de agrotóxicos, possibilitará o comércio de defensivos mais seguros e mais eficientes. Segundo Amaral, a quebra de barreiras de entrada de novos fornecedores e produtos no País promoverá uma variedade da oferta de produtos. O tempo muito longo para a aprovação de um defensivo, que hoje leva no mínimo 8 anos e pode chegar a 12 anos.
Veja também o quadrinho semanal Agro-Cartoon, publicado no site: www.agro-cartoons.blogspot.com.br.
Texto(s): Avisite, Jornal Agroin, SNA, Unica, Mapa, Agrolink)

Entre na conversa...