15 de December de 2018

Professores contestam portarias de jornada especial na Educação

Prefeito Daniel visita a Secretaria da Educação e recebe toda atenção das diretoras de EMEF.
Prefeito Daniel visita a Secretaria da Educação e recebe toda atenção das diretoras de EMEF.

Alguns professores procuraram o Marília Global com críticas sobre a postura da Secretaria Municipal da Educação (SME). Esses professores fizeram o concurso público para o Magistério, em dezembro de 2017, e foram aprovados.

Porém, eles alegam que a SME esta privilegiando o quadro atual do Magistério ao invés de chamar os novos professores para ocuparem as salas vagas.

Fato é que a Secretaria de Administração publicou recentemente no Diário Oficial de Marília (DOMM) diversas portarias com jornada especial. Isso pode ser conferido, por exemplo, no DOMM n.º 2238 de quinta-feira, 02 de agosto de 2018, e no DOMM n.º 2239 de sexta-feira, 03 de agosto de 2018.

A jornada especial é o nome utilizado pela SME para a carga suplementar, na qual alguém do atual quadro do Magistério “dobra” a carga horária de trabalho e o salário. São casos aplicados justamente quando existem situações especiais, como licença prêmio ou licença maternidade. Mas, mesmo com o concurso, a Gestão Daniel Alonso (PSDB) continua utilizando a jornada especial para preencher “classes livres”.

Por outro lado, a lista dos concursados para ocuparem essas salas fica parada a cada portaria de jornada especial publicada para preencher “classe livre”.

Outros profissionais da educação aprovados no concurso também questionaram o fato de a SME não preencher as vagas de ADEs (Auxiliares de desenvolvimento escolar). Alegando “conhecerem o chão da escola”, esses profissionais afirmaram estranhar essa postura da SME, já que há um deficit desses profissionais nas escolas municipais.

Eles afirmaram que pessoas com a designação de serviços gerais e estagiários estão fazendo a função dos ADEs. Entre essas funções estão banho, trocas e repouso das crianças.

Entre na conversa...