21 de March de 2019

Comércio varejista na região de Marília cresce 1,3% em abril

Fachada do Sincomercio. Foto: Google.

Em abril, o comércio varejista na região de Marília atingiu o faturamento de R$ 951,4 milhões, crescimento de 1,3% na comparação com o mesmo mês de 2015. No acumulado do ano a elevação é de 4,5%, já nos últimos doze meses houve aumento de 1,5%.

Os dados são da Pesquisa Conjuntural do Comércio Varejista no Estado de São Paulo (PCCV), realizada mensalmente pela Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo do Estado de São Paulo (FecomercioSP), com base em informações da Secretaria da Fazenda do Estado de São Paulo (Sefaz-SP).

Entre as nove atividades pesquisadas, cinco apresentaram crescimento em abril na comparação com o mesmo mês de 2015. As altas mais expressivas foram vistas nos setores de supermercados (8,3% e contribuição de 3,2 pontos porcentuais para o resultado geral), de outras atividades (7,7% e 1,9 p.p.) e de farmácias e perfumarias (8,3%, com impacto de 0,5 p.p.).

Entretanto, os segmentos de concessionárias de veículos (-24,3% e impacto negativo de 2 p.p.), materiais de construção (-19,2% e colaboração de -1,5 p.p.) e de lojas de vestuário, tecidos e calçados (-17,4% e contribuição de -1 p.p. para o resultado geral) apresentaram quedas acentuadas no mês e impediram um resultado melhor do varejo.

Segundo Pedro Pavão, presidente do Sincomercio Marília, apesar desse desempenho que indica um aumento na confiança do consumidor, ainda é cedo para avaliar se a situação econômica se estabilizou “As expectativas dos consumidores para os próximos meses ainda são preocupantes. Devido a atual situação econômica e política que estamos enfrentando no país, as pessoas demonstram não estarem dispostas a se endividar nesse momento ou desenvolverem gastos considerados desnecessários”, ressalta.

Desempenho estadual

Pelo segundo mês consecutivo, o comércio varejista do Estado de São Paulo registrou queda nas vendas na comparação interanual. Em abril, o faturamento real do varejo foi de R$ 44,7 bilhões, retração de 3,3% em relação ao mesmo mês de 2015, quando a receita foi de R$ 46,2 bilhões. No acumulado de 12 meses, a queda atinge 6%.

Entre as 16 regiões analisadas pela Federação, nove apresentaram retração em abril na comparação com o mesmo mês de 2015. Os dois piores desempenhos foram observados nas regiões de Osasco (-14,5%) e Capital (-7,4%). Já as regiões do Litoral (6,3%) e Araraquara (4,9%) foram as melhores do Estado.

Das nove atividades pesquisadas, seis registraram queda nas vendas em abril considerando a mesma base de comparação: lojas de vestuário, tecidos e calçados (-21,6%), eletrodomésticos, eletrônicos e lojas de departamentos (-12,9%), materiais de construção (-12,4%), lojas de móveis e decoração (-10,4%), concessionárias de veículos (-7,4%) e outras atividades (-2,7%). Esses seis segmentos, no seu conjunto, impactaram negativamente o resultado geral do comércio em 5,5 pontos porcentuais.

Já os setores de farmácias e perfumarias (13,8%), supermercados (3,7%) e lojas de autopeças e acessórios (1,3%) foram os únicos que apresentaram crescimento em abril. Esses índices positivos atenuaram a queda geral em 2,2 pontos porcentuais.

Entre na conversa...