Leite de cabra entra para o projeto Balde Cheio

Chinelato apresenta Projeto Balde Cheio na Zona da Mata mineira. Foto: Embrapa.
Chinelato apresenta Projeto Balde Cheio na Zona da Mata mineira. Foto: Embrapa.

Incluir a produção de leite de cabra no escopo do Projeto Balde Cheio, criado há 18 anos, é uma das metas da Embrapa. O “marco zero” dessa inclusão ocorreu no dia nove de julho, durante dia de campo realizado numa fazenda de caprinos, no município de Rio Novo-MG. O evento fez parte da programação do 14º Cabra Fest, que também contou com um workshop sobre a produção de caprinos na região da Mata Atlântica, realizado no dia anterior no campo experimental da Embrapa Gado de Leite, em Coronel Pacheco-MG.

O pesquisador da Embrapa Pecuária Sudeste, Artur Chinelato, idealizador do Projeto Balde Cheio, explicou aos participantes do dia de campo (cerca de 80 pessoas entre professores, pesquisadores, extensionistas, estudantes e produtores) as características do Balde Cheio: capacitar produtores rurais e extensionistas, utilizando as propriedades rurais para difundir informações e tecnologias aplicadas em cada região, monitorando os impactos ambientais, econômicos e sociais nos sistemas de produção que adotam as tecnologias propostas.

A inclusão da caprinocultura de leite no Projeto ocorre num momento em que a Embrapa reestrutura o Balde Cheio, redimensionando-o dentro da programação de pesquisa da Empresa. Diversas unidades da Embrapa estão trabalhando para que o Projeto se transforme em um macro programa de transferência de tecnologia, ampliando sua ação no Brasil.

Como já ocorre na pecuária de leite bovina, o Balde Cheio para a caprinocultura leiteira terá como objetivo o desenvolvimento da atividade junto às propriedades familiares. Segundo Chinelato, o Projeto será voltado, principalmente, para o desenvolvimento da atividade praticada em propriedades familiares.

Em linhas gerais, o Balde Cheio promove o desenvolvimento sustentável da pecuária leiteira via transferência de tecnologia, atendendo a demanda de extensionistas de entidades públicas e privadas e de produtores de leite de todo o Brasil.  A metodologia, perfeitamente adaptada à caprinocultura, utiliza uma propriedade leiteira de cunho familiar como “sala de aula prática” com a finalidade de reciclar o conhecimento de todos os envolvidos: pesquisadores, extensionistas e produtores, apresentando essa propriedade como exemplo de desenvolvimento sustentável da atividade leiteira em todos os aspectos: técnico, econômico, social e ambiental.

O que se espera com o Projeto é a recuperação da autoestima e da dignidade do produtor, permitindo a fixação da família no meio rural. Em relação ao extensionista, busca-se o restabelecimento da importância da extensão rural como fator essencial ao desenvolvimento sustentável da atividade leiteira no país.

Entre na conversa...