Matra pesquisa dados da Secretaria Municipal de Obras

De janeiro a abril de 2015, a Prefeitura de Marília, por meio da Secretaria de Obras, já gastou R$ 2,4 milhões em conservação de vias, ou seja, "tapa buraco".
De janeiro a abril de 2015, a Prefeitura de Marília, por meio da Secretaria de Obras, já gastou R$ 2,4 milhões em conservação de vias, ou seja, "tapa buraco".

Com o objetivo de dar transparência aos atos públicos, a Matra tem realizado diversos estudos sobre os dispêndios da Administração Pública. Recentemente, a entidade analisou os gastos da Secretaria Municipal de Obras Públicas, demonstrando os valores pagos de janeiro a abril de 2015, comparativamente ao mesmo período de 2014, além de informar quais foram os recursos utilizados para o pagamento das despesas e investimentos.

No total, os gastos alcançaram a cifra de R$ 6,8 milhões, assim distribuídos:

Pessoal

O gasto com Pessoal teve decréscimo de 9% em 2015 quando comparado com igual período de 2014. Embora o gasto com Pessoal Civil Fixo tenha sido de R$ 1,8 milhões, não há débito de Obrigações Patronais (despesas inerentes às despesas com Pessoal Civil Fixo).

Material de Consumo

Em Material de Consumo o item de maior desembolso foi o de Combustível, seguido de Manutenção de Veículos e Material de Construção.

Serviço de Terceiro – Pessoa Jurídica

Já nesse item, os gasto de maior representatividade foi o de Conservação de Vias, ou seja, Tapa Buraco, com gasto de R$ 2,4 milhões de janeiro a abril. Vale notar que este valor (apesar de não ser considerado alto) ainda ficou abaixo do valor gasto em 2014, o qual foi de R$ 3,2 milhões. Daí a necessidade de se refletir sobre o valor investido, pois, caso essa média seja mantida, ao final de 12 meses o gasto será de aproximadamente R$ 7,4 milhões. Esse fato demonstra a péssima condição do nosso asfalto na cidade.

Por outro lado, foram gastos somente R$ 280 mil em pavimentação urbana (investimento asfáltico). Ou seja, gasta-se quase 9 vezes mais em despesa Tapa buraco do que com o Investimento em Asfalto na cidade. É por conta disso que a discussão sobre Tapa Buraco é frequente durante as sessões da Câmara.

Obras e Instalações

A obra com maior valor de investimento foi a de Ampliação do Sistema de Abastecimento de Água (R$ 591 mil), seguida da obra de Pavimentação Urbana (R$ 280 mil).

COMO FORAM PAGOS OS DISPÊNDIOS

O total dos dispêndios é formado pelas despesas normais da Secretaria de Obras e dos investimentos efetuados, como abaixo demonstrado:

  • DESPESAS DA ADMINISTRAÇÃO: R$ 5.639.236,37
  • OBRAS E INSTALAÇÕES: R$ 1.142.352,23
  • MATERIAL PERMANENTE: R$ 63.915,00
  • TOTAL DOS DISPÊNDIOS: R$6.845.503,60

As Despesas da Administração são gastos normais da administração da Secretaria e são pagos por recursos próprios.

A Obras e Instalações, assim como o Material Permanente, são despesas de longa durabilidade e geralmente são pagos com recursos oriundos do Governo do Estado de São Paulo, do Governo Federal ou financiamentos de longo prazo. Abaixo a demonstração dos recursos utilizados para os pagamentos mencionados:

  • RECURSOS PRÓPRIOS: R$ 6.548.323,69
  • RECURSOS DO GOVERNO ESTADUAL: R$ 297.179,91
  • TOTAL DOS RECURSOS UTILIZADOS: R$ 6.845.503,60

Tendo em vista que os recursos próprios foram da ordem de R$ 6,5 milhões, este total absorve toda a despesa da administração e ainda sobra um valor de R$ 909 mil, o qual foi utilizado no pagamento de Obras e Instalações.

Para uma economia debilitada como a da cidade de Marília, muitas vezes comentada pelos nossos administradores, uma aplicação de recursos próprios em investimentos compromete ainda mais a saúde financeira do Município.

Para saber mais, veja os dados analíticos na planilha que esta disponível no website da ONG.

Sobre Marília Transparente 434 Artigos
Organização Não Governamental sem fins lucrativos e político-partidários, que visa transparência na gestão pública.

Entre na conversa...