25 de June de 2019

Abelardo Camarinha é destaque negativo no jornal Estadão de ontem

Abelardo Camarinha aguarda o momento de discursar em evento público do Município. Foto: Wilson Ruiz.
Abelardo Camarinha aguarda o momento de discursar em evento público do Município. Foto: Wilson Ruiz.

A reportagem de Luiz Vassallo, para o jornal Estado de São Paulo, denunciou deputados estaduais que abrigam políticos e servidores condenados pela Justiça. Infelizmente a cidade de Marília foi um dos destaques negativos da reportagem, que apontou Abelardo Camarinha (PSB) como um dos deputados que abriram as portas do seu gabinete na Alesp (Assembleia Legislativa de São Paulo) a figuras condenadas pela Justiça.

A matéria também destaca que o próprio deputado Camarinha já foi condenado pela Justiça e é réu em outros casos. De acordo com Vassallo, “o deputado Abelardo Camarinha (PSB) foi condenado em primeira instância a ressarcir o município de Marília em R$ 112.568,77 e está proibido de ser contratado pelo poder público como pessoa jurídica”. O jornalista explica que essa condenação se refere ao ano de 2000, quando Camarinha ainda era prefeito. Na ocasião, diz Vassalo,

“Camarinha alugou, sem licitação, um imóvel para acomodá-lo e a seus secretários quando viajassem à capital, por R$ 2.700. O imóvel pertence a Walter Miosi, marido da então funcionária de confiança da prefeitura de Marília, Marildes Lavigne da Silva Miosi”.

Por esse ato, o TJ-SP (Tribunal de Justiça de São Paulo) deu a sentença em 2000 afirmando que a locação do imóvel fere os princípios da moralidade e da impessoalidade. Vassallo também apontou que, atualmente, “Marildes está lotada na liderança do PSB, partido de Abelardo Camarinha, desde 2012”.

Merenda e CMN

A reportagem também destacou o caso da “Máfia da Merenda” e do incêndio da CMN (Central Marília Notícias). Vassallo lembrou que Camarinha e Marildes Miosi são investigados, ao lado do funcionário Carlos Umberto Garrossino, “por receber pelo menos R$ 600 mil em uma suposta ‘Máfia da Merenda’ instaurada na cidade durante a gestão do político na prefeitura”.

Por fim, o Estadão destacou “outro funcionário de Camarinha com antecedentes criminais”. Trata-se de Bruno Gaudêncio Coercio. Bruno foi  condenado pelo incêndio do edifício da CMN, em 2005. De acordo com a reportagem, Bruno “ficou preso por três anos e a pena foi extinta em 2012”. O ataque foi motivado porque o acusado teria se ofendido com as reportagens envolvendo seus familiares que eram noticiadas pela imprensa.

Outra condenação

Em abril deste ano, após ação do Ministério Público Federal, a 2ª Vara Federal de Marília condenou o ex-prefeito Camarinha e José Luís Dátilo, ex-secretário municipal de obras públicas, por atos de improbidade administrativa. Os réus deverão devolver mais de R$ 11 milhões aos cofres públicos. Dátilo é o atual secretário de Serviços Urbanos na Administração de Vinícius Camarinha (PSB).

Na gestão do ex-prefeito, a União (por meio da Caixa Econômica Federal) e a Prefeitura de Marília celebraram cinco contratos de repasses para que o município executasse ações relativas ao “Programa Morar Melhor”. Entre os contratos, estava prevista a construção da barragem do Córrego de Ribeirão dos Índios, sistema de captação, adução e estação de tratamento de água.

Apesar dos recursos federais terem sido repassados ao município para a execução das obras, houve atrasos e os empreendimentos previstos, entre eles a barragem, não foram concluídos. Segundo a sentença do juiz federal Luiz Antonio Ribeiro Marins, os autos demonstraram que apenas 30% da obra foi executada, embora os recursos federais tenham sido repassados integralmente à municipalidade.

Ficha Suja

Os ex-prefeitos de Marília, Abelardo Camarinha e Mário Bulgareli foram inclusos neste ano na relação de políticos e servidores públicos que são responsáveis por contas julgadas irregulares transitadas em julgado, ou seja, que não cabem mais recurso, no período de 2007 a 2015. A lista foi elaborada pelo TCE (Tribunal de Contas do Estado) e foi encaminhada em julho à Justiça Eleitoral.

Entre na conversa...