O escândalo da fraude de merenda envolvendo diversas prefeituras no estado de São Paulo esta sendo investigado pela Operação Alba Branca, da Polícia Cívil. O ex-promotor e hoje presidente da Câmara de Deputados de São Paulo, Fernando Capez (PSDB) é um dos principais acusados por receber propina da merenda em conluiu com a Cooperativa Orgânica Agrícola Familiar (Coaf).

Por isso, há a tentativa de a oposição ao Governador Alckmin na Câmara de Deputados de instaurar uma Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI), referente ao desvio das verbas da merenda nas escolas estaduais de São Paulo.

Porém, são necessárias 32 assinaturas para abrir a instauração da CPI. Até a última quarta-feira, (4), a oposição contava com apenas 25 deputados, que se comprometeram assinando um requerimento na Assembleia Legislativa de São Paulo (ALESP).

O escândalo volta a ganhar destaque nos noticiários após estudantes secundaristas ocuparem a ALESP e o Centro Paula Souza desde o início desta semana.

Máfia da Merenda

Vale recordar que esse não é o primeiro escândalo envolvendo fraude de merenda escolar. Marília já foi destaque nacional pela esquema conhecido como “Máfia da Merenda“.

Em fevereiro de 2013, o Juiz da 3ª Vara Cível, José Antonio Bernardo, recebeu ação movida pelo Ministério Público (MP), a qual investigava na época a participação de Mário Bulgareli, Abelardo Camarinha, Carlos Umberto Garrossino (ex-Secretário da Administração), Marildes Lavigni da Silva Miosi (Assessora Parlamentar), Nelson Virgílio Grancieri (ex-Secretário da Fazenda), Eloizo Gomes Afonso Durães (Diretor da SP Alimentação), Antonio Santos Sarahan, Olésio Magno de Carvalho e Silvio Marques (sócios da empresa) no pagamento de propina pela empresa SP Alimentação e Serviços LTDA, responsável pelo fornecimento da merenda escolar em Marília.

As propinas teriam sido pagas, por ocasião de um contrato para fornecimento de merenda escolar, entre 2005 e 2008. O acordo entre a fornecedora e a Prefeitura iniciou em 2003, quando Camarinha era Prefeito e foi prorrogado constantemente sem licitação até o governo de Bulgareli.

Para essas prorrogações, Camarinha e Bulgareli cobravam “comissões” mensais para a SP Alimentação e seus sócios. O valor da transação das propinas chegou a mais de R$ 2,5 milhões.

CPI da merenda

Novamente Abelardo Camarinha e fraude de merenda escolar se encontraram. Dessa vez, o deputado estadual, que teve recentemente seu mandato de deputado cassado e seus direitos políticos suspensos, tinha o papel de assinar ou não o requerimento favorável a criação da CPI responsável pela investigação da Máfia da Merenda em São Paulo. Camarinha não assinou, o que indica que ele é contra a criação da CPI da merenda.

Das 25 assinaturas necessárias, todos os deputados das bancadas do PT, PSOL, PCdoB, PDT e Solidariedade são favoráveis o requerimento. Na última quarta-feira, uma lista divulgada pelo jornal Folha de S. Paulo destaca os deputados favoráveis e contrários à abertura do processo.

Eles NÃO assinaram a criação da CPI (ordem alfabetica)

  1. Abelardo Camarinha (PSB)
  2. Adilson Rossi (PSB)
  3. Aldo Demarchi (DEM)
  4. Analice Fernandes (PSDB)
  5. André do Prado (PR)
  6. André Soares (DEM)
  7. Antonio Salim CuriatI (PP)
  8. Barroz Munhos (PSDB)
  9. Caio França (PSB)
  10. Campos Machado (PTB)
  11. Carlos Bezerra Jr (PSDB)
  12. Carlos Cezar (PSB)
  13. Carlão Pignatari
  14. Cauê Macris (PSDB)
  15. Celino Cardoso (PSDB)
  16. Celso Giglio (PSDB)
  17. Celso Nascimento (PSC)
  18. Cezinha de Madureira (DEM)
  19. Chico Saredelli (PV)
  20. Clélia Gomes (PHS)
  21. Coronel Camilo (PSD)
  22. Coronel Telhada (PSDB)
  23. Célia Leão (PSDB)
  24. Davi Zaia (PPS)
  25. Delegado Olim (PP)
  26. Edmir Chedid (DEM)
  27. Edson Giriboni (PV
  28. Estevam Galvão (DEM)
  29. Feliciano Filho (PSC)
  30. Fernando Capez (PSDB)
  31. Gil Lancaster (DEM)
  32. Gileno Gomes (PSL)
  33. Gilmaci Santops (PRB)
  34. Hélio Nishimoto (PSDB)
  35. Igor Soares (PTN)
  36. Itamar Soares (PTN)
  37. Jooji Hato (PMDB)
  38. Jorge Caruso (PMDB)
  39. Jorge Wilson (PRB)
  40. Luiz  Fernando Machado (PSDB)
  41. Léo Oliveira (PMDB)
  42. Marcos Damasio (PR)
  43. Marcos Zerbini (PSDB)
  44. Maria Lúcia Amary (PSDB)
  45. Marta Costa (PSD)
  46. Mauro Bragato (PSDB)
  47. Milton Leite Filho (DEM)
  48. Milton Vieira (PRB)
  49. Márcio Camargo (PSC)
  50. Orlando Bolçone (PSB)
  51. Orlando Morando (PSDB)
  52. Paulo Correa Jr (PEN)
  53. Pedro Tobias (PSDB)
  54. Ramalho da Construção (PSDB)
  55. Reinaldo Alguz (PV)
  56. Ricardo Madalena (PR)
  57. Rita Passos (PSD)
  58. Roberto Engler (PSDB)
  59. Roberto Massafera (PSDB)
  60. Roberto Morais (PPS)