9 de December de 2019

Queda de braço entre Sindicato e Femsa Coca-Cola vai parar no Ministério do Trabalho

Diretores do sindicato da alimentação com diretores de RH da Coca Cola. Foto: Chico dos Santos.
Diretores do sindicato da alimentação com diretores de RH da Coca Cola. Foto: Chico dos Santos.

A assessoria do Sindicato da Alimentação soltou uma nota à imprensa informando que a Coca-Cola abandonou as negociações com o sindicato da Alimentação de Marília e recusa-se a cumprir o acordo coletivo de trabalho Estadual, firmado entre Federação dos Trabalhadores na Alimentação e Sindicato Estadual da Indústria de Bebidas.

Com data-base no mês de maio, aproximadamente 600 trabalhadores da empresa Femsa (Coca-Cola) em Marília, estão sem reajuste salarial até agora.

O Sindicato também apontou que, diferente de 2016, nos anos anteriores a empresa aplicou o índice estadual e ainda negociou com o Sindicato algumas clausulas mais benéfica aos trabalhadores. Entre elas, o adicional noturno, ticket alimentação, ticket natalino, desconto de refeições e outros.

“A Coca Cola em Marília não negocia e quer impor aos trabalhadores um reajuste abaixo da inflação, como foi feito em outras cidade onde tem fábrica da empresa. Não aceitamos esta imposição e não vamos fechar acordo de reajuste salarial com índice abaixo da inflação do período”, explicou o presidente do Sindicato da Alimentação, Wilson Vidoto.

A nota também explicou que nos casos quando não existe um acordo com o sindicato da base, prevalece o acordo à nível estadual. Como já se passaram três meses da data-base e não chegou-se a um acordo, a diretoria do Sindicato da Alimentação de Marília vai protocolar junto ao Ministério do Trabalho um pedido de fiscalização. O Sindicato também vai entrar com pedido de ação de cumprimento da convenção do coletiva de trabalho, junto ao Ministério Publico.

Entre na conversa...