15 de December de 2018

“Redes de dormir”, são utilizadas na Maternidade da ABHU

Os recém nascidos ficam em posição fetal com a utilização da rede nas incubadoras
Os recém nascidos ficam em posição fetal com a utilização da rede nas incubadoras

Os bebês atendidos pela Maternidade da Associação Beneficente Hospital Universitário (ABHU) de Marília estão recebendo uma ação pioneira de humanização. Os recém nascidos ao serem colocados nas incubadoras, ficam suspensos através de uma “rede de dormir”, sem o contato com o colchão, obrigando bebê a manter a posição fetal, bem parecida com que tinha dentro do útero. “Não tenho dúvidas que isto tem dado aos bebês mais segurança, deixando-os mais calmos, tranquilos e mais receptivos aos manuseios médicos”, garante a médica neonatologista da ABHU de Marília, Jordana Domingues, que passou a adotar a técnica pioneira no interior do Estado de São Paulo há um mês. “As redinhas colocadas nas incubadoras fazem com que os bebês reajam melhor a recuperação necessária”, afirmou.

Através de uma iniciativa da auxiliar de enfermagem, Maria Aparecida Castro Boscateli, há 14 anos como funcionária da ABHU, ela produziu as pequenas “redes de dormir”, de flanela, do tamanho 42X70 centímetros, e juntamente com a equipe médica da maternidade, foi feito um teste com um bebê que se mostrava irritado. Ao colocarem o recém nascido na “rede de dormir”, suspensa dentro da incubadora, observaram de forma imediata a reação calma e tranquila do bebê. “Foi algo mágico”, recordou a médica Jordana Domingues que garante o estado de conforto do bebê, que estando muito próximo da posição fetal, tornam-se mais estável e passa a recuperar peso com mais rapidez. “Conheci essa técnica em Londrina, mas no Estado de São Paulo nunca ouvi falar”, disse a neonatologista da ABHU de Marília que acredita ser mais um passo para a intensificação dos procedimentos humanizados dentro da maternidade do hospital universitário.

Diante da excelente reação dos bebês assistidos e principalmente incentivados pelos pais, que notaram a diferença no comportamento mais calmo e tranquilo das crianças, outras quatro “redinhas” foram produzidas, sendo que mais quatro estão em fase final de produção, contemplando as nove incubadoras existentes na maternidade da ABHU de Marília. “Temos de várias cores, mas o azul, rosa e verde predominam”, disse satisfeita a auxiliar de enfermagem que garante não ter habilidade para costurar. “Pesquisei na internet sobre as maneiras de melhor acomodar os bebês nas incubadoras, e vi que a “rede de dormir” é a que se encaixa melhor aos bebezinhos”, falou ao receber elogios dos próprios pais das crianças beneficiadas. “Eles ficam encantados, pois, com a rede fica até melhor para ver os detalhes dos recém nascidos”, acrescentou.

Para o diretor administrativo da ABHU de Marília, Rodrigo Paiola, esta atividade é uma ação direta do hospital dentro da política de humanização da maternidade, que já conta com outros programas que envolvem diretamente os pais nos primeiros dias de vida dos filhos. “Nossa maternidade é destaque estadual, por contar com uma equipe de trabalho eficiente e criativa, com a missão de assistir com competência técnica e humanizada por completo o bebê e os familiares”, disse o dirigente ao lembrar da realização de todos os exames e vacinas preventivos exigidos por lei aos recém nascidos, são realizados no próprio hospital. “Todos saem devidamente imunizados”, falou ao acrescentar nenês e mamães atendidos na maternidade do hospital universitário de Marília.

Entre na conversa...