20 de August de 2018

Prefeitura licita empresa para fornecer material pirotécnico; valor a ser gasto será de R$ 207 mil

Fogos de artifício custam 220 mil reais ao Orçamento do Município de Marília
Fogos de artifício custaram cerca de 220 mil reais ao Orçamento do Município de Marília em 2014

Segundo explicou o Secretário da Fazenda, Sérgio Moretti, na audiência pública realizada na última quinta-feira (29), a situação financeira da Prefeitura está estável, porém ainda há a necessidade de se conter gastos.

“Janeiro, fevereiro e março são os meses em que há o pico da arrecadação, por isso a situação está equilibrada. Porém, daqui a frente a situação é totalmente o contrário e a despesa da Prefeitura passa a ser maior do que a receita mensalmente. A nossa folha de pagamento subiu 13,25% de dezembro para cá, que é quase R$ 3 milhões. A receita não acompanha a despesa, pois não dá salto. É por isso que nós estamos economizando, porque vai ficar difícil daqui para frente. Ainda estamos apertados”, disse.

Se a Prefeitura tem que economizar para enfrentar o segundo semestre, o que é medida correta, não parece razoável gastar dinheiro com fogos de artifício. É que segundo publicação do Diário Oficial do Município de Marília do dia 24 de maio, a Administração realizou licitação e homologou a empresa S.H.M. RODRIGUES MARTINI & CIA LTDA – ME para o fornecimento de material para show pirotécnico destinado a várias secretarias.

Segundo tabela elaborada pela Administração, o valor máximo a ser oferecido pelo lote único seria de R$ 221.110,00, pois, segundo o edital do pregão presencial nº 095/2014, foram cotados os valores de fogos de artifício praticados no mercado.

Mas o valor oferecido pela empresa S.H.M., a única participante do certame, foi de R$ 218.130,00. Após negociação, o preço baixou para R$ 207.375,00, conforme consta na ata da licitação. Mesmo assim, trata-se de uma quantia muito alta para ser gasta em algo que não é prioritário.

Aliás, essa deve ser a discussão. Reconhecemos a boa iniciativa em realizar recapeamento asfáltico em 500 quarteirões da cidade, investimentos em perfurações de poços profundos e reformas de unidades escolares, por exemplo, porém a cidade carece de investimentos intensos da área da saúde, operação tapa buracos eficiente, planejamento da mobilidade urbana, dentre outros.

Cabe ao cidadão mariliense avaliar a utilidade ou não de gastar mais de R$ 200 mil em fogos de artifício quando sua necessidade diz respeito a um melhor atendimento no posto de saúde, na rapidez da realização de exames médicos, na melhoria do serviço de transporte coletivo e no regular fornecimento de água, por exemplo.

Entre na conversa...